Blog

Está pensando em ampliar seu negócio em pecuária leiteira?

Caro Produtor!

Está pensando em ampliar seu negócio em pecuária leiteira?

Qual o primeiro passo a ser tomado? Quando? Como? Estas são as perguntas mais frequentes.

Eu posso fazer sozinho! Esta é a atitude tomada por muitos

A resposta é bem fácil.

Como assim?

O fato é que muitos querem viabilizar seu negócio sem um prévio planejamento e isto, muitas vezes acaba impactando negativamente nos resultados, tornando a iniciativa inviável e com baixa ou até mesmo nenhuma perspectiva de retorno do capital investido.

Por tanto amigo produtor, investir da maneira certa requer muito entendimento, muita experiência e conhecimento técnico, por isso, antes de qualquer coisa, não tenha receio de contatar quem entende do assunto. Procure a AJAGRO uma empresa especializada em pecuária leiteira a mais de 30 anos. Podemos ajudá-lo a compreender de forma simples e clara o futuro do seu negócio. Usando o planejamento como plataforma principal, seguida de três etapas:

  • PLANO DE NEGÓCIO
  • ELABORAÇÃO DO PROJETO
  • EXECUÇÃO

Do pequeno ao grande projeto o planejamento é a melhor forma de obter lucro.

Teremos o maior prazer em atendê-lo

Brasil: O gigante leiteiro adormecido

O Brasil está superando os Estados Unidos na produção de milho e soja nas últimas safras, quando iremos superá-los no leite?

Nós brasileiros precisamos nos orgulhar do setor agrícola, projeções davam conta que só na próxima década iríamos superar os EUA na produção de grãos, entretanto na safra atual já fizemos isso, com soja e milho. Especialistas apontam que o mercado de leite deve continuar crescendo, e que o Brasil é o único país no mundo que pode melhorar a qualidade e a eficiência da produção a pasto.

Recentemente uma faculdade neozelandesa (Massey University) publicou um artigo com o título “Brasil: O gigante do leite adormecido” e questiona por quanto tempo o país ficará adormecido. “O Brasil tem milhões de hectares de terra não utilizada, abundância de água, capacidade agrícola comprovada e disposição para adotar as mais recentes tecnologias” e continua “O Brasil tem os recursos naturais para derrubar todos os seus concorrentes e tornar-se o maior produtor de leite mundial, só precisa concentrar-se mais nos esforços adotando tecnologias modernas e não levará uma década para que isso torne-se realidade“.

O Brasil figura o Top 10 maiores produtores de leite do mundo que tem em seu primeiro lugar o Estados Unidos, mas sabemos que o país tem área e produtores que podem dar um salto no ranking, baste que mudanças ocorram nos próximos anos.

Uso de tecnologias é a chave para melhorar a produtividade do leite brasileiro

Como melhorar a eficiência leiteira brasileira

“O setor leiteiro está em expansão no Brasil e acumula um incremento produtivo de 73% em 15 anos. A possibilidade de crescimento é enorme, pois o gargalo atual é a baixa produção média por vaca, sendo apenas 15% do volume produzido por animal pelos EUA. Considerando que temos um rebanho 60% maior que aquele país, temos uma excelente oportunidade de melhoria genética dos animais, aliada ao investimento em tecnologia de produção, gestão técnica e econômico-financeira da atividade e mão de obra qualificada” comentou a Zootecnista Cintya Tongu Andreolli da empresa Otimiza Consultoria e Gestão Rural.

Cintya enfatiza “Em uma ponta da cadeia temos a variação de qualidade do leite produzido e na outra a oscilação do preço pago ao produtor, gerando incertezas à cadeia produtiva e, muitas vezes, retraindo os investimentos”.

Leia também

“Se fizermos uma análise econômica das atividades dentro do agronegócio irá ver que não existem agricultores produzindo soja e milho com baixa e alta tecnologia, todos seguem o padrão de alta tecnologia. Diferente na pecuária, existem pecuaristas produzindo carne e leite com alta e baixa tecnologia, isso expõe a falta de capacidade da maioria dos produtores de enxergarem que existe um único caminho para a rentabilidade, o emprego de melhor gestão e uso das tecnologias oferecidas pelo mercado em suas propriedades” salientou Andrew Jones, Engenheiro Agrícola e especialista em Pecuária Leiteira da AJAGRO.

Bem-estar animal, redução do estres térmico. Foto Divulgação.

Pecuária leiteira de alta x baixa tecnologia

pecuária leiteira de alta tecnologia, com produção de 25 mil litros por hectare ao ano, foi a atividade agropecuária mais rentável em 2013, mostra levantamento da Scot Consultoria. A rentabilidade do segmento foi de 10,08%, ante 7,71% de 2012. A pecuária leiteira de baixa tecnologia, por outro lado, segue com prejuízos. Em 2013, a variação negativa foi de 3,03% ante queda de 2,61% de 2012.

Eficiência de pastejo no Brasil

“Tenho levantado a discussão sobre eficiência de pastejo no Brasil, apesar de já termos exemplos de vários produtores produzindo excelentes pastos a eficiência de pastejo é baixa. Alguns sabem a hora certa de entrar e sair com o gado de uma pastagem, mas não tem conseguido. Ou melhoramos a eficiência de pastejo do Brasil, ou a previsão de que 60% dos pecuaristas em atividade vão desaparecer em 20 anos se concretizará, e isso não é bom para ninguém” salientou Ernesto Coser Netto, Gerente Nacional da Speedrite / Tru-Test.

“O que falta de informação ao produtor é como conseguir piquetiar e rotacionar suas pastagens, para que o gado possa consumir todo o capim sem que haja perdas. O custo de produção de cercas tradicionais é alto, e a cerca elétrica não tem feito sucesso, tecnologia essa subutilizada no Brasil, pois é uma tecnologia como qualquer outra, onde não se respeita os conceitos básicos simplesmente não funciona” acrescentou Ernesto.

eficiencia de pastejo com cerca eletrica
Foto: Electric Fence, High Tensile Fencing Supplies

Conceitos corretos da cerca elétrica

A cerca elétrica não é mais importante que nenhuma outra tecnologia empregada na produção a pasto, mas a falta de informação e treinamento das pessoas responsáveis pelo processo tem prejudicado a eficiência de pastejo. Acertar a lotação em piquetes grandes não é uma tarefa fácil, e errando o gado acaba escolhendo onde comer e temos pasto rapado ou passado. Se na fazenda temos pasto rapado ou passado, quem está mandando na fazenda é o gado e não seus gestores.

O produto de quem planta soja é o grão e o produto de quem planta pasto é a folha, não se desperdiça grãos como desperdiçamos folhas.

Mito: tecnologia custa caro

Produtores do Programa Balde Cheio da Embrapa em Minas Gerais produziram cinco vezes mais leite do que a produção média nacional estimada por fazenda leiteira. “O Balde Cheio derruba o mito de que tecnologia custa caro e não é acessível ao pequeno produtor. Ele se baseia em um diagnóstico bem estudado e no apontamento de arranjos simples na propriedade. Muito trabalho, sem grandes investimentos. É muito mais uma mudança de comportamento dos produtores, que aceitam ousar e inovar, alcançando muito mais produtividade e renda em sua atividade”, destaca Rodrigo Alvim, diretor da FAEMG.

Temos uma agricultura de primeiro mundo e uma atividade leiteira de terceiro mundo, salvo excessões.

Jeitinho brasileiro e experiência dos gringos

Confira a análise da Pecuária leiteira brasileira feita por Andrew Jones, Engenheiro Agrícola e especialista em leite da AJAGRO.

O Brasil tem grandes vantagens sobre seus concorrentes, desde seu tamanho continental até o seu clima tropical, além da genética do rebanho Girolando que vem evoluindo ano após ano.
O leite a pasto é um álibi que o país não está sabendo usar, existe uma grande dificuldade do produtor brasileiro em conduzir pastagens, que deveria ser encarada como uma lavoura de 12 meses, que tem os mesmos desafios de qualquer outra lavoura e é preciso ser bem conduzida todos os dias do ano. Pela praticidade o brasileiro prefere produzir silagem para garantir a nutrição dos animais, deste modo as pastagens são deixadas em segundo plano.

Leia também

Alguns neozelandeses que já estão aqui no país tem seu foco no simples e o que dá resultado, diferente do brasileiro que as vezes quer uma solução milagrosa, exemplo disso é a moda de usar sistemas de produção como o free stall e compost barn, que vem sendo empregado em dezenas de propriedades brasileiras afim de rentabilizar o negócio, as vezes essa solução nem sempre é a mais indicada e acaba fugindo do obvio e básico da produção de leite.

O óbvio e básico na produção leiteira

A genética dos animais bem trabalhada e planejada, o manejo do gado favorecendo tanto o homem e os animais no seu ambiente, a produção de comida seja ela através de silagem ou pastejo, tendo isso controlado na ponta do lápis você terá mais de 80% do custo de produção dominado.

Já visitei propriedades no sudeste brasileiro, em pleno verão (sensação térmica acima dos 38º), com vacas da raça holandesa fazendo pastejo em piquetes com pivô central de irrigação. Se juntar todos esses fatores, você terá vacas que simplesmente não emprenham pelo calor excessivo e outros fatores sanitários, isso influenciará negativamente na produção, erros básicos mas que muitos cometem ainda.

Confira os pilares indispensáveis do leite

  1. Boa nutrição;
  2. Qualidade do leite / sanidade de úbere;
  3. Reprodução.
Vaca da raça Holandesa pastando
Por: OKUBO FILHO, Alcides / Embrapa

Exemplo da subutilização das nossas pastagens

Para se produzir capim de qualidade você gasta 1/3 do que gastaria para produzir silagem. Exemplo: se você produz bem capim, de alta produtividade e faz adubação você gastará R$ 20/tonelada, na silagem você produzirá com R$ 70/tonelada. Aqui vemos o custo de 50% da receita líquida da fazenda, todas as contas devem ser feitas e as premissas básicas devem ser atendidas para que haja lucratividade.

Leite é uma atividade que você calcula em décimo de centavos. É diferente de qualquer outra atividade do meio rural, além de gerar um volume de trabalho muito grande, talvez seja uma das atividades no meio rural que mais exige dedicação do produtor. A gestão é fundamento para economizar tempo e garantir a eficiência.

via Compre Rural

MOBIMILK NA REVISTA DBO – MUNDO DO LEITE

A revista DBO – Mundo do Leite em sua edição (jun/jul 2018), publicou uma interessante matéria sobre a construção de salas de ordenha, salas de leite e salas de espera, e dá dicas de como reduzir os custos de implantação dos projetos de pecuária leiteira. Na matéria MOBIMILK se apresenta como uma alternativa economicamente viável.

 

 

 

Mobimilk se consolida para os projetos de agropecuária leiteira

Missão dada, missão cumprida. Mobimilk na 11ª Expoclara, o evento aconteceu de 03 a 06 maio de 2018 no espaço de evento Fenachamp em Garibaldi/RS, estima-se que mais de 35.000 mil pessoas visitaram a exposição, entre elas a grande maioria produtores rurais cooperados da Santa Clara e outros interessados. Atendemos bem as expectativas de todos os que visitaram o stand da Ordenha Móvel “Mobimilk”.

Esta inovação agradou com brilho nos olhos aqueles que  conheceram de perto o projeto, despertando grande interesse em usufruir os benefícios que o mesmo propõe como:

adquirir uma sala de ordenha pronta e móvel, sem necessidade de obra civil, com capacidade para atender as Boas Práticas Agropecuária – BPA, acompanha painel de orientação de higienização do tanque, facilidade na  limpeza da sala  visando a destinação adequada dos resíduos, piso de borracha com conforto animal,  sala de leite isolada com aquecedor e cuba inox para auxílio na higienização do tanque resfriador e em fim um dos benefícios que mais chamou atenção dos produtores a eliminação de doenças ocupacionais entre elas a mais crucial “dores de coluna”, um dos motivos pelos quais muitos acabam deixando a atividade bem antes do tempo, conforme vários relatos.

Além dos benefícios citados acima, temos também o objetivo de melhorar o processo de ordenhar, gerando qualidade da matéria prima LEITE. Acertamos em desenvolver um equipamento funcional e os produtores e laticinistas entenderam a ideia e acreditam ser uma solução prática para o campo. O Mobimilk pode ser adquirido por linhas de crédito especificas para o agronegócio e com financiamento em até 10 anos.

Que tal reunir a família para este evento?

Convidamos vocês para participarem da 11ª Expoclara 2018, a maior Exposição de Gado Leiteiro da Serra Gaúcha, que acontecerá de 3 a 6 de maio, na Fenachamp, em Garibaldi/RS. A nossa Ordenha Móvel  “MOBIMILK” estará presente e com muitas novidades, passem lá para conferir o nosso produto que está encantando produtores e laticinistas por sua eficiência e praticidade. Mais informações sobre o produto acesse: http://ajagro.agr.br/mobimilk-ordenha


Veja programação completa do evento:  http://expoclara.coopsantaclara.com.br/#!/sobre

Mobimilk em destaque na revista Balde Branco

Mudar é preciso, por isso, a inovação é um ponto fundamental para aqueles que buscam alcançar com satisfação melhorar o dia a dia do produtor de leite no campo. Como não poderia deixar de ser, a Balde Branco uma das mais bem conceituadas revistas do mundo do leite publicou as melhores inovações do evento promovido pela EMBRAPA em dezembro do ano passado e claro a proposta do Mobimilk conquistou seu espaço. Confira abaixo:

IDEAS FOR MILK 2017

Tecnologias + inovações digitais: soluções para melhorar o desempenho na fazenda

Um grande número de inovações tecnológicas para a cadeia produtiva do leite foi apresentado durante a segunda edição do evento, visando contribuir para elevar a eficiência da produção e a qualidade do leite

Ano 53 / número 639 / fevereiro/2018

www.baldebranco.com.br

 

Produtor/Laticinista: Quem precifica o leite nosso de cada dia?

A precificação do leite no Brasil segue os preços do leite UHT e para entender como essa cadeia é precificada, precisamos entender como se comporta este mercado e quem são os atores neste processo.

Segundo Milkpoint Mercado, R$2,10 foi o preço nominal de venda do litro de leite UHT no ano de 2017, preço efetivado pela área comercial das indústrias lácteas perante os compradores do atacado/varejo.

A cadeia de remuneração do “negócio leite”, possui três atores principais que distribuem as margens (lucro/prejuízo) neste processo:

  • Produtores de leite
  • Frete + indústria de transformação
  • Fabricantes da embalagem do UHT e seu processo industrial

Se o mercado é soberano e o preço deste mercado para 2017 foi de R$2,10 o litro de leite UHT, foi neste cenário que os atores desta cadeia lutaram para criar suas margens.

Veja na tabela abaixo os elos da cadeia, intervalo de valores e fatores que impactam neste valor:

Elos da cadeia Intervalo de valores Fatores ligados ao valor
Preço Leite UHT R$2,10 Mercado 2017
Preço do leite pago ao produtor R$0,80 a 1,35 Volume, distância, qualidade, relacionamento
Custo do frete do leite R$0,04 a 0,16 Distância a percorrer com o leite da propriedade à indústria
Custo da embalagem R$0,55 a 0,60 Processo de industrialização UHT + embalagem
Custo da transformação R$0,20 a 0,40 Eficiência no processo de transformação dentro da indústria

 

Se somarmos os valores mínimos e máximos dos intervalos da tabela acima, vamos encontrar respectivamente, R$1,59 e R$2,51, ou seja, lucro ou prejuízo perante o teto do mercado para 2017 de R$2,10. O segredo para obter margens está no mix destes valores praticados, considerando os fatores relacionados para cada situação.

O elo mais fraco da cadeia é o produtor de leite, deprimir os preços pagos ao produtor, apertando suas margens para mascarar ineficiências internas do processo industrial é uma tática arriscada para o setor. Por outro lado produtores com alto custo de produção vão ter dificuldades nestes períodos de “vacas magras”.

A verdade nua e crua é que “se o mercado quis pagar R$2,10 pelo litro de leite UHT (atacado e varejo)”, este valor é o nosso teto no atual sistema de precificação. Estamos todos sentados sobre as planilhas de custo em busca de mais eficiência e só vai sobreviver quem conseguir criar margem de lucro dentro deste cenário e entre os elos desta cadeia, seja ele, produtor de leite ou indústria láctea.

por Andrew Jones – blog AJAGRO

 

Uso do BST em questão

Farol amarelo acende quanto ao uso do BST no Brasil

Nesta semana tive acesso ao informativo da Nestlé onde relata as novas metas da empresa para o Brasil quanto ao ambiente de produção de leite dentro das propriedades. Passados mais de 10 anos do início da implantação do Programa de BPA (Boas Práticas Agropecuárias), a Nestlé, a partir deste comunicado, coloca claramente ao mercado que deseja subir na escada em busca da produção de leite em um ambiente cada vez mais adequado. Assim, novos degraus são colocados na escada em busca de um produto lácteo mais nobre para o consumidor nacional.

Porém neste comunicado, um item especifico me chamou a atenção: a restrição ao uso do BST, ou em outras palavras, a bonificação ao produtor que não utilizar o BST no seu sistema de produção de leite.

O que é o BST: “O BST, ou Somatrotopina bovina, é uma proteína natural produzida pelas vacas. Existe também uma forma análoga do BST (Somatotropina Bovina) sintetizada em laboratório, que pode ser suplementada às vacas. O BST promove a produção de mais leite por vacas adultas. Está e sempre esteve presente no leite em níveis bastante baixos. O BST não é ativo no organismo humano. Em seres humanos, é completamente degrado no trato digestivo, como qualquer outra proteína”. (Fonte: fabricante)

Não foram poucos os atendimentos aos questionamentos de consumidores ao SAC da empresa, quanto ao uso do BST, que respondi nos últimos 6 anos, quando gerente técnico de laticínio. Diversos consumidores mostravam-se preocupados com a utilização do BST e sua presença no leite, solicitando mais informações a respeito.

É de conhecimento público que vários países não permitem o uso do BST já há muitos anos e em outros tantos países não existe restrição ao uso. A ideia aqui não é entrar no mérito desta questão, ou seja, proibir ou não o uso no Brasil, mas sim levantar a discussão a respeito do assunto.

O mais importante é que o BST é e vem sendo utilizado como uma ferramenta de manejo de rebanhos leiteiros em ampla escala em nosso país, principalmente pelos produtores responsáveis pelo grande volume de leite fornecido à indústria, visto que por serem mais tecnificados usam ferramentas técnicas na gestão da propriedade.

O Uso do BST promove aumento do volume da produção de leite diária nas fazendas, através do aumento da produtividade média da vacada. Também em menor escala, BST é utilizado para alongar o período de lactação de vacas a refugar e também utilizado na indução de lactação em vacas com problemas de emprenhar.

A utilização do BST dentro das recomendações técnicas do fabricante promove significativo aumento na renda ao produtor. Como gerente de fazendas ao longo de 30 anos, fiz uso do BST nas fazendas que gerenciei. Realizei um trabalho técnico de acompanhamento detalhado dos resultados de uso do BST na Fazenda São Pedro, Fernandópolis/SP, Projeto “CFM Leite a pasto”, no ano de 2008. A conclusão do trabalho foi descrita através da seguinte frase, na época:

“O uso do BST, associado à terceira ordenha, em parte do rebanho lactante da Fazenda São Pedro, deixou aos cofres da fazenda um décimo terceiro mês de produção de leite em volume e receita “ (Fonte: Andrew Jones)

Finalizando este comunicado abre definitivamente uma discussão a respeito do uso do BST no Brasil,  questionamentos como estes vão surgir:

  •   Proibir ou não o uso do BST no Brasil?
  •   Qual a estratégia da Nestlé?
  •   A bonificação ao produtor cobre ou não, o aumento da receita com o uso do BST?
  •   O produtor de leite está preparado para não utilizar mais o BST?
  •   Qual o impacto da descontinuidade do uso do BST na produção de leite nas fazendas?
  •   Qual será a queda no volume de leite produzido?
  •   Qual será o impacto no volume de leite das lactações fechadas, de várias raças leiteiras brasileiras, advindas do cruzamento com zebuínos?
  •   Será este um fato importante para abrir mercado internacional para os produtos lácteos brasileiros?

 

Vamos avaliar, pois este cenário impacta bastante na receita do produtor e tem fortes reflexos para a indústria láctea.

Andrew Jones

 

De olho nas oportunidades

Prezados Laticinistas/Cooperativas,

Conforme definido no Decreto nº 8.533 de 2015, o Programa Mais Leite Saudável permite aos Laticínios e Cooperativas, que industrializam produtos lácteos, a apuração de créditos presumidos da Contribuição para o PIS/COFINS. Simplificando a explicação, você empresário da indústria láctea, tem direito a monetizar 50% do valor de créditos presumidos de PIS/COFINS. Para tanto deverá protocolar junto ao MAPA um projeto que atenda as especificações da Normativa do decreto para ser habilitado à este benefício.

Fique atento à esta oportunidade, para cada R$1,00 investido seu retorno é de R$10,00 de forma direta, sem calcular os benefícios à sua bacia de captação de leite!!!!

AJAGRO possui experiência na elaboração destes projetos. Tire suas dúvidas e/ou venha elaborar seu projeto conosco.

Top